terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Trono

Chega bem cedo e senta-se no seu trono de cristal. Eleva-se no céu e plana até cansar os olhos. Trono mágico que o faz invisivel. Percorre todas as ruas da cidade, observa cada beco como se fosse a primeira vez. Dia ou noite pouco importa. Invisivel como se os seus olhos fossem os olhos de outro alguém ali mesmo à sua frente. Não há som nem cheiro nem frio nem calor. Só imagens.

Paira agora quase ao nível do chão. À frente o homem das chagas, ao lado o cego sem olhos. Sobe e sonha com o dia de amanhã esquecendo que o hoje ainda não acabou. Dorme agora embalado pela neblina cinzenta. Acorda sem saber bem onde. É tarde. Desce da cadeira mágica e sente o cheiro familiar de tempos que já passaram. Ao fundo uma gaivota grita em desespero. Está frio, sente-o nos ossos. Procura, procura-se mas nada encontra. Pensa e lembra. Lembra-se de um passado não muito distante quando nem sequer ainda tinha descoberto o seu trono abandonado à beira da estrada. Jura não mais voltar a subir. Deixa o trono e segue a pé. Há-de chegar ao seu destino ainda hoje. Lembra-se. "Cheira a maresia!".

1 comentário: