terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Ratos

O barco descola lentamente. Rumo às nuvens. Larga o mar, mar chão, e vai. O velho marinheiro ajeita as barbas enquanto no convés os ratos escorregam e caem à água. Milhões de viagens fizeram, mas nenhuma como esta. Anos e anos a navegar. Algum dia teria de marcar a diferença.

Para trás fica a cidade fantasma, um monte de casas sem vida, sem som, sem gente. Vazia, oca, suja. No jardim, julgando-se louco, o novo mendigo aprecia o espectáculo por entre dois goles de um qualquer liquido esverdeado -o lixo de uns, a posse de outros- encontrado há um par de horas mesmo à beira do banco feito casa.

Corre agora, corre sem destino, acaba de o fazer. Estrada, escadas, ponte. Voa ao lado dos ratos. Plana de braços bem abertos, bate as asas devagar. Já não respira. Morreu a sonhar.

1 comentário: